Nosso Fundador

Conheça a história do nossoBEATO IRMÃO PEDRO

Nascido em 1819, num vilarejo do interior da Alemanha, Pedro Friedhofen teve uma vida breve, marcada por grandes dificuldades e provações. Aos dezoito meses de idade, o pequeno Pedro perde o pai. Aos nove anos sua mãe morre. Seus estudos foram interrompidos ainda no primário para aprender o ofício de limpador de chaminés em viagens com Jakob, seu irmão mais velho. A morte de Jakob, levou Pedro, com pouco mais de 20 anos, a assumir a responsabilidade por sua cunhada e os onze sobrinhos. Porém, nem a maestria com que exercia sua profissão, e nem sua luta contra a deficiência pulmonar que sofria, eram suficientes. Em seu trabalho, cantava hinos Marianos e sabia que Deus estava mais próximo a ele, e fazia desses hábitos, uma forma de adoração. Sobreviveu por sua fé, oração apaixonada e leitura da Bíblia, ao mesmo tempo em que cultivava profunda devoção a Maria. Por sua devoção natural ao apostolado secular e o desejo de compartilhar com os outros a alegria da vida unida a Deus, Pedro fundou a Fraternidade de São Luiz sob rígidas normas e o consentimento do Bispo de Trier, em várias Paróquias da região. Viajante por conta de sua profissão, conheceu de perto o sofrimento e o isolamento das pessoas, especialmente entre os doentes, o que despertou cada vez mais sua dedicação para com os desamparados e o desejo de consagrar-se ao Senhor, juntamente a outros de mesma vontade e fundar os Irmãos da Misericórdia. Esse desejo teve o apoio de algumas pessoas ligadas a igreja, mas as dificuldades em se criar uma ordem nova eram muitas, fazendo Pedro repensar por muitas vezes seu projeto. Porém, nem a maestria com que exercia sua profissão, e nem sua luta contra a deficiência pulmonar que sofria, eram suficientes. Como alternativa para dar seqüência ao seu ideal e aprender sobre os cuidados aos doentes, Pedro freqüenta o convento dos Irmãos Alessianos. Neste período probatório, Pedro se vê em contradição com suas convicções, numa congregação onde votos perpétuos eram proibidos, um voto de pobreza não era mais possível. O Secretário da Fazenda da cidade administrava as finanças do convento e tinha voz na eleição dos candidatos novos para a ordem. Irmãos cuidando de enfermos aceitavam pagamento próprio e mantinham contas financeiras pessoais. Após muitas batalhas e decepções, Pedro muda-se para Koblenz, em 1850, a procura de melhores condições para a criação da nova ordem, enquanto desenvolve seu trabalho num hospital e no convento. A confiança e a crença na Congregação, por parte do público e da comunidade médica cresceu, como cresceu a filiação. Em 1852, o Padre Lorenzi aceitou os votos solenes de Pedro Friedhofen e um irmão, iniciando o noviciado dos Irmãos da Misericórdia.

MENSAGEM DO SUPERIOR

O essencial da Igreja é ser missionária. Esta essência se baseia nas palavras de Jesus aos Apóstolos: “Ide e anunciai a Boa Nova a todas as gentes”. Por isso para a Vida Consagrada também é essencial ser missionária. Essa missão se enraíza na vocação cristã e se diferencia no seu carisma. Esta missão se concretiza, iniciando com uma profunda experiência de Deus, testemunho de uma vida fraternal, na corajosa evangelização e na opção ao ser humano.

O mundo moderno criou, para a Vida Religiosa, novas plataformas, as quais, dão condições, como já no passado, para evangelizar em frente de tudo. Se nós hoje reconhecermos e respondermos a este sopro do Espírito Santo temos muitas possibilidades e motivos para uma consagração na forma dos conselhos evangélicos de castidade, pobreza e obediência. No foco são valores como: Testemunho, profecia, opção para os pobres e excluídos, inculturação, diálogo e solidariedade. Isso tudo dá força e motivação para fazer parte da Nova Evangelização em prol de uma cultura de amor, caridade e de misericórdia. Por isso venham, façam parte deste movimento como Irmão da Misericórdia de Maria Auxiliadora.

“Deus concede graças muito grandes. Ó tornai-vos participantes delas! As mãos de Deus estão constantemente cheias de dons e graças. Procurai obtê-las. Rezai muito. Rezai com devoção, rezai onde andais e onde estiverdes parados; e preservai o vosso coração da impureza, para que o orvalho das divinas graças goteje sem interrupção sobre vós, pois, o tempo desta vida é precioso”.

AMAR A MARIA

1 - Amar a Maria é o meu prazer,

Na lida alegria dela depender.

É isto que eu quero do meu coração,

Amar Maria na eterna mansão.


2 - Ó Virgem formosa, tu sempre serás.

A mãe carinhosa, que me salvará.

Quisera de agora amar-te melhor,

Quisera, senhora, morrer só de amor.


3 - És nosso conforto na tribulação

Nos levas ao bom porto, nos dá salvação.

O teu valimento poder tanto tem,

Que num só momento perdão nos obtém.

HINO AO IRMÃO PEDRO

1 - Ó Pedro amigo do Senhor

Nós te agradecemos

Que tu unido ao salvador

Enfermos bem tratastes

Dá-nos que os ensinos de Jesus

Nos Sirvam para andar na luz

Se ao próximo bem servimos


2 – Quisestes bem todas as pessoas

Que auxilio te pediam

Na agonia ou labor de cada dia

Na vida sucumbiram

Andar sempre em tuas vias

No próximo Cristo enxergar

Ensina-nos na lida


3 – Divina Virgem guiou tua mão

Na dura caminhada

Volvido a ti nosso coração

Imploremos graça abastada

Ó pede que a Virgem, nesse labor

Proteja-nos com seu fulgor

Com seu manto nos cubra


4 – Ó santo irmão da fé que a fé

Em nós rejuvenesça

E que o querer do Pai celeste

Em nós restabeleça

Oh! Não deixa da fé desviar-nos

Resistência que nos dar

Até o lar celeste


5 – Ó Deus da eternidade o Pai

As dores são milhares

Ó filho, o homem Salvador

Vem dar-nos Santo Espírito

Para testemunharmos

De Deus os mil amores para Humanidade